Museu do Índio Portal Brasil CGU - Acesso à Informação
Trocar cores de fundo Fundo branco Fundo cinza Fundo marrom Fundo vermelho Fundo amarelo Fundo verde

Museu do Índio - Exposições

PROGRAMAÇÃO

Exposições

Atuais

"No caminho da miçanga - um mundo que se faz de contas" - Casarão central

Sob curadoria da antropóloga  Els Lagrou, a exposição reúne 700 peças e  20 filmes de 24 etnias do Brasil, além de 18 da África, da Ásia e das Américas, em sete ambientes  - Viagem, Mito, Encontro, Troca, Brilho, Ritual, Encanto e Mergulho -,  com instalações multimídias interativas no casarão central do Museu do Índio.

Diferentes povos indígenas participaram da confecção dos objetos  exibidos, na mostra, por meio de oficinas de transmissão de saberes, assim como na produção de imagens sobre técnicas de trabalho com miçangas. Todo esse trabalho vem sendo desenvolvido com a participação de inúmeros pesquisadores indígenas, no âmbito do Programa de Documentação de Línguas e Culturas Indígenas - PROGDOC - criado, em 2008, em parceria com a Unesco.  O Programa foca na proteção da diversidade cultural do Brasil, além de promover a inclusão social.

Exposição No Caminho da Miçanga - banner

 

Um caminho que se faz de contas -  Américas, África e Ásia

“No caminho da miçanga, um mundo que se faz de contas” reflete sobre os variados sentidos que o exotismo pode assumir, assim como sobre as possíveis relações com o "outro" e os seus enfeites. Aponta para a discussão dos conceitos de diversidade e de tolerância.

A exposição aborda o tema ‘miçanga’, com histórias que falam do comércio e da exploração, do fascínio mútuo entre povos distintos, do encontro e do desencontro de perspectivas entre viajantes e nativos. Para a curadora Els Lagrou, "enquanto o colonizador julgava estar trocando quinquilharias contra preciosas matérias primas, a maioria dos povos nativos desejava muito essas contas, vindas do ultramar. Apesar de fazerem suas próprias contas, às vezes muito parecidas com as estrangeiras, as contas de vidro eram novidades, preciosidades exóticas."

Miçanga é derivada de masanga, palavra de origem africana, que significa “contas de vidro miúdas”. Com estas miudezas, povos do mundo inteiro, do Norte ao Sul, do Oriente ao Ocidente, produzem impressionantes obras de arte. Mais do que um objeto ou um conceito, a miçanga é pura relação: sua definição se faz no encontro entre mundos distantes.

Muitos povos diferentes são fascinados por essas continhas de vidro coloridas, desde a Antiguidade até os dias de hoje. O que vem de fora, no pensamento desses povos, tem um valor diferenciado, inspira e faz construir novas relações, novos padrões de beleza e abre novas possibilidades.

Fachada do Museu do Índio - Foto Paulo Mumia

O Museu do Índio  convida o público a mergulhar  nessas relações diferentes, interagindo entre os vitrais, silhuetas e outras instalações tanto no casarão quanto no jardim da instituição.

A exposição tem o apoio da UNESCO e do Programa de Pós Graduação em Sociologia e Antropologia - IFCS da UFRJ.

Clique na figura abaixo e veja mais fotos.

Banner da exposição

 

Horário de visitação:

de terça a sexta, das 9 às 17h30min.;
sábados, domingos e feriados, das 13 às 17 horas.

Grátis.

Rua das Palmeiras 55 - Botafogo Rio de Janeiro - RJ

 

"Ashaninka, o Poder da Beleza" - Espaço Museu das Aldeias

A quarta edição do Programa Índio no Museu é dedicada aos Ashaninka (AC), povo que habita a região de fronteira entre o Brasil e o Peru.

Inauguraºúo da Exposiºúo Ashaninka 08-08-2014 Fotos Paulo Mumia 0001 Inauguraºúo da Exposiºúo Ashaninka 08-08-2014 Fotos Paulo Mumia 0002

A mostra 'Ashaninka, O Poder da Beleza' revela, a partir de mitos, fotos e objetos de uso ritual e cotidiano, os dois grandes eixos a partir dos quais gira a cosmovisão do povo Ashaninka: a procura pela imortalidade e a fragilidade do amor. A curadoria é assinada pelos pesquisadores Peter Beysen e Sonja Ferson. O evento tem o apoio da Unesco – Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura.

"Os Ashaninka do Oeste Amazônico são parte de um dos maiores grupos indígenas da América do Sul. Somam um total de aproximadamente 70 mil pessoas que habitam massivamente o Perú e uma pequena parte do estado do Acre, no Brasil. Eles representam a passagem entre as terras baixas da América do Sul e o altiplano andino, zona de confluência e influência de diversas culturas, sociedades, historicidades", afirmam os curadores.

Serviço:

Exposição Ashaninka - O Poder da Beleza
Visitação: de terça a sexta-feira, das 9h às 17h30min;
Sábado, domingo e feriado, das 13h às 17h.
Rua das Palmeiras 55 - Botafogo - Rio de Janeiro/RJ.
Grátis.

 

 

 

 

 

 KOT0630bx  KOT0636bx  KOT0661bx

CS-09/08/2014

Visitação: de terça a sexta-feira, das 9h às 17h 30min; sábado, domingo e feriado, das 13h às 17h. Entrada gratuita.
Rua das Palmeiras, 55. Botafogo - Rio de Janeiro/RJ - Brasil. CEP 22.270-070. Tel.: (21) 3214.8700

© Direitos reservados Museu do Índio - FUNAI