Museu do Índio Portal Brasil CGU - Acesso à Informação
Trocar cores de fundo Fundo branco Fundo cinza Fundo marrom Fundo vermelho Fundo amarelo Fundo verde

Museu do Índio - Parceria

Povos Indígenas

O Museu do Índio prevê ações como a realização de oficinas, treinamentos, publicações e consultorias a povos indígenas interessados em organizar Museus, centros culturais e/ou desenvolver projetos de preservação e revitalização de seu patrimônio cultural.

MUSEU KUAHI
CENTRO CULTURAL KUKURO
CENTRO CULTURAL XAVANTES
EXPOSIÇÕES ITINERANTES :

Parceria com os povos indigenas mundomov boxe01Em 2012 em parceria com Parceria com a Secretaria de Cultura do governo do Distrito Federal. 

Exposição Itinerante

Mundo em Movimento , saberes Tradicionais e Novas Tecnologias

Na exposição que ocupa o Memorial dos Povos indígenas em Brasília um passeio para apresentação das coleções do Programa de Documentação de Culturas e Línguas Indígenas . 

Em 2011 – Parceria com a Universidade Estadual do Rio de Janeiro

A mostra itinerante do MI foi apresentada durante um mês na Galeria da UERJ

De 9 de agosto a 9 de setembro , a exposição itinerante "Cerâmica Karajá – a voz visual das mulheresParceria uerj mulheres iny Iny" , do Museu do Índio, foi apresentada na Galeria Cândido Portinari da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Nesse período, mais de mil pessoas visitaram a galeria da UERJ, para conferir a mostra do MI . Na exposição, os visitantes puderam conhecer o universo Iny( Karajá), retratado em peças de cerâmica figurativa, produzidas por mulheres da aldeia de Santa Isabel do Morro (Hawalò).
Os Iny Mahãdu (Karajá) - Atualmente, o povo Iny conta com uma população de aproximadamente 3.200 pessoas distribuídas em 16 aldeias nos estados de Goiás, Tocantins e Mato Grosso.

Em 2011 – Parceria com a Universidade Federal do Rio Grande do Sul

"TAPE-PORÃ, IMPRESSÕES E MOVIMENTO – OS MBYA NO RIO DE JANEIRO"

Exposição Guarani do Museu do Índio em cartaz no Rio Grande do Sul

Cerca de cem pessoas prestigiaram, no Museu da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, a inauguração da mostra itinerante do Museu do Índio/ RJ "Tape-Porã, impressões e movimento – Os Parceria ufrgs tape pora impressoes movimentoMbya no Rio de Janeiro". Estiveram presentes à cerimônia, representantes do Núcleo de Políticas para os Povos Indígenas da Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Segurança Urbana de Porto Alegre , a direção do Museu da UFRGS, o Diretor do Museu do Índio/RJ, José Carlos Levinho e a Vice-Diretora do MI/ RJ , Arilza de Almeida, entre outras autoridades. A exposição é uma realização do Museu do Índio/ RJ em parceria com a UFRGS e Prefeitura Municipal de Porto Alegre. A mostra está sendo apresentada como uma das atrações do evento "ORETATAYPY Presença Mbya-Guarani no Sul e Sudeste do Brasil".

Em 2011 em parceria com Casa de Cultura Mário Quintana, em Porto Alegre.

Índios de Darcy em Porto Alegre

A exposição itinerante "Kadiwéu • Ofayé • Urubu-Ka'apor – Os Índios de Darcy Ribeiro" , do Museu do Índio/ FUNAI, está sendo apresentada , deste o dia 08 de junho, na Casa de Cultura Mário Quintana, em Porto Alegre. A mostra, que tem a curadoria do jornalista, fotógrafo e antropólogo Milton Guran, fica em cartaz até 10 de julho. A exposição reúne trabalhos fotográficos realizados no período de 1942 a 1949. Darcy Ribeiro assina cinco fotos dos Ofayé (MS) datadas de 1948 . Estes são os únicos registros fotográficos existentes da etnia. As demais fotos da mostra são assinadas por Harald Schultz e Heinz Foerthmann, dois dos mais importantes fotógrafos documentaristas da primeira metade do século XX, a serviço do SPI.
Todo o material exposto pertence ao Fundo SPI do Arquivo do Museu do Índio/FUNAI tendo sido, em 2008, incluído no Registro Nacional do Programa Memória do Mundo da UNESCO.
A exposição está sendo apresentada pelo MI em parceria com a Associação de Amigos da Casa de Cultura Mario Quintana, Instituto Estadual de Artes Visuais, Museu Antropológico do Rio Grande do Sul e Secretaria de Estado da Cultura.
A Casa de Cultura Mário Quintana fica na Rua dos Andradas, 736 , em Porto Alegre. O site é http://www.ccmq.com.br

Em 2011 em Parceria com UERJ – Universidade Estadual do Rio de Janeiro

Exposição Maxakali do Museu do Índio é atração na UERJ

A 22ª Edição do Projeto UERJ SEM MUROS está apresentando a exposição itinerante Maxakali, do Museu do Índio/ FUNAI. No espaço expositivo , o público pode conferir oito painéis , além de dez fotos expostas nas paredes e no piso do ambiente. Também integra a mostra, a coleção Linhas Encantadas, que inclui bolsas, puçás e vestidos feitos pelos Maxakali . A exposição pode ser vista até 23 de setembro na UERJ.
Os Maxakali
Com população estimada em cerca de 1.400 índios, as aldeias Maxakali ficam situadas no nordeste de Minas Gerais, próximas à fronteira com a Bahia. Os Tikmu'un - como se autodenominam os Maxakali - falam uma língua do tronco Macro-jê.

Em 2010 em parceria com a Fundação Banco do Brasil – Projeto Memória

O Museu do Índio/FUNAI e a Fundação Banco do Brasil lançou, em julho de 2010, os produtos do Projeto Memória Rondon – A Construção do Brasil e a Causa Indígena. O evento conta com o apoio da Sociedade Amigos do Museu do Índio.

Exposição itinerante, livro fotobiográfico, vídeo documentário e material pedagógico constituído de almanaque didático com guia de orientação para o professor estão entre as peças educacionais e culturais que pretendem divulgar a vida e a obra do "Patrono da Comunicação" e fundador do S.P.I. – Serviço de Proteção aos Índios, que deu origem à atual FUNAI. A trajetória do Marechal Cândido Rondon também estará disponível na Web. Fotografias, caricaturas, ilustrações e arquivos para consulta e download estarão reunidos no site construído especialmente para o Projeto.
Considerado uma das figuras mais importantes para a história do Brasil, Cândido Rondon teve entre seus grandes feitos a implantação das linhas telegráficas que ligou a região Oeste do Brasil com o resto do país. A missão possibilitou importantes estudos científicos nos campos da etnologia indígena, da geografia, da fauna e da flora do extenso território percorrido.
Cândido Mariano da Silva Rondon faleceu, aos 92 anos, no dia 19 de janeiro de 1958, no Rio de Janeiro. Seu corpo foi velado no Clube Militar com honras de chefe de estado.

Em 2011 em parceria com Museu da Inconfidência Ouro Preto – MG

Ritual da Imagem – Arte Asurini do Xingu

Dilma Rousseff recebe catálogo do Museu do Índio
(foto: Roberto Stuckert Filho)
A Presidenta da República recebeu dos Asurini o catálogo "Ritual da Imagem: Arte Asurini do Xingu" ao final da cerimônia de entrega da Medalha da Inconfidência, promovida na Praça Tiradentes, em Ouro Parceria Museu inconfidencia ritual imagem arte asurini Preto, no dia 21. Também estavam presentes, o governador de Minas Gerais, Antonio Anastasia, e o presidente da FUNAI, Márcio Meira.
A exposição "Ritual da Imagem: Arte Asurini do Xingu" ficou em cartaz no Museu da Inconfidência, em Ouro Preto (MG) até 24 de abril. A curadoria é assinada pela professora e antropóloga Regina Polo Müller. A mostra itinerante, que já esteve em cartaz no Rio, em Belo Horizonte e em Uberlândia, reúne arte cerâmica, grafismo e pintura corporal desse povo do Pará.
Nos últimos dias da exposição, o público de Ouro Preto pode conhecer um pouco da cultura Asurini e participar de oficinas de arte corporal com dois casais vindos da Aldeia Koatinemo, próxima de Altamira, no Pará. As atividades foram realizadas em comemoração ao Dia do Índio.

Em 2006 - Parceria com a Universidade Católica de Goiás

"A Arte da Transformação: Máscaras e Rituais Indígenas"

Local: Universidade Católica de Goiás, por ocasião do Congresso Anual da ABA - Associação Brasileira de Antropologia. De 11 a 27 de junho de 2006.
A mostra reúne 32 máscaras, pertencentes ao acervo etnográfico do Museu do Índio e 12 fotos representativas de 26 grupos indígenas do Brasil que apresentam a diversidade de práticas culturais como rituais e cerimônias. Resultado de uma parceria entre o Museu do Índio(RJ)/Funai e o Departamento de Museus e Centros Culturais – IPHAN/ Ministério da Cultura, esta exposição foi apresentada, em abril, no Palácio do Planalto. Curador: Luís Donisete Benzi Grupioni.

Em 2006 - Museu Goiano Zoroastro Artiaga

"Obra-prima Wajãpi, Obra-prima da humanidade"
Local: Museu Goiano Zoroastro Artiaga. De 11 a 27 de junho de 2006.

São 18 painéis fotográficos sobre o Kusiwa, grafismo dos Wajãpi, grupo indígena do Amapá, e sua aplicação no cotidiano da aldeia. Arte gráfica tradicional dos índios Wajãpi, utilizada na pintura corporal e na decoração de artefatos, O Kusiwa foi reconhecido pela Unesco, em sete de novembro de 2003, como Obra Prima do Patrimônio Oral e Imaterial da Humanidade. É a primeira vez que uma manifestação indígena brasileira é indicada como bem cultural de importância mundial.
A arte gráfica foi apresentada pelo Governo brasileiro, através do dossiê de candidatura "Expressão Gráfica e Oralidade entre os Wajãpi do Amapá, Brasil", coordenado pelo Museu do Índio (RJ). O documento é resultado de um trabalho feito pelo Núcleo de História Indigena e do Indigenismo da Universidade de São Paulo, com a intensa participação dos Wajãpi.

Em 2006 - Palacio do Planalto – Governo Federal e Galeria de Arte da Universidade Federal Fluminense

Depois de passar pelo Palácio do Planalto, no Distrito Federal e pela Universidade Católica de Goiás, por ocasião do Congresso Anual da Associação Brasileira de Antropologia, em Goiânia, "A Arte da Parceria palacio planalto arte transformacaoTransformação: Máscaras e Rituais Indígenas" seguiu sua turnê e aportou em Niterói.
Em cartaz na Galeria de Arte UFF até 22 de outubro de 2006, a mostra reuniu 32 máscaras, pertencentes ao acervo etnográfico do Museu do Índio no Rio de Janeiro, e 12 fotos representativas de 26 grupos indígenas do Brasil que mostram a diversidade de práticas culturais como rituais e cerimônias.
A exposição do Museu do Índio chegou à Niterói a bordo da programação cultural do evento"Brasil Profundo – 4ª. Interculturalidades" que aconteceu no Centro de Artes da Universidade Federal Fluminense.
A idealização e montagem de mostras itinerantes é uma das estratégias do Museu do Índio para estimular o interesse do público em geral pela cultura indígena contemporânea brasileira, seus diferentes modos de viver e pensar o mundo.

Visitação: de terça a sexta-feira, das 9h às 17h 30min; sábado, domingo e feriado, das 13h às 17h. Entrada gratuita.
Rua das Palmeiras, 55. Botafogo - Rio de Janeiro/RJ - Brasil. CEP 22.270-070. Tel.: (21) 3214.8700

© Direitos reservados Museu do Índio - FUNAI